2012-01-25

América Latina é parada obrigatória de turnês internacionais

O U2 de Bono Vox sacudiu o estádio do Morumbi em abril de 2011. (Paulo Whitaker /Reuters)

O U2 de Bono Vox sacudiu o estádio do Morumbi em abril de 2011. (Paulo Whitaker /Reuters)

Por Patricia Knebel para Infosurhoy.com – 25/01/2012

PORTO ALEGRE, Brasil – A economia estável, os altos cachês e um povo interessado em consumir cultura tornaram o Brasil um dos destinos preferidos de artistas internacionais.

Depois de décadas fora do circuito mundial de shows, o país voltou para a rota de turnês internacionais nos últimos anos.

Madonna, U2, Paul McCartney, Rihanna, Red Hot Chilli Pepers, Amy Winehouse, Elton John, Shakira e Iron Maiden atraíram multidões nas maiores cidades brasileiras.

Mas o Brasil não está sozinho nesse movimento. O fortalecimento da economia na Argentina, Chile, Colômbia e Peru tem facilitado as negociações para as produtoras.

O ano de 2012 já começou aquecido. O cantor havaiano Bruno Mars e a banda britânica Florence and The Machine são as principais atrações da segunda edição do Summer Soul Festival.

A cantora britânica de soul Dionne Bromfield, afilhada de Amy Winehouse, que participou do evento em 2011, também aterrissou no país para o festival.

Realização da XYZ Live, o Soul Festival já passou por São Paulo (24 de janeiro), chega ao Rio de Janeiro em 25 de janeiro e em Florianópolis em 28 de janeiro.

Entre 25 e 28 de janeiro, cerca de 200.000 pessoas também deverão aproveitar o calor da Bahia, no Nordeste do Brasil, para cantar e dançar durante o Festival de Verão Salvador.

Para a 14ª edição do evento, já tem confirmados nomes nacionais como Ivete Sangalo, Titãs e Jota Quest. Entre as atrações internacionais estão Men At Work, Ben Harper e Alanis Morissette.

“Salvador é uma das cidades mais festivas do Brasil e a nossa expectativa é dar a partida para o Carnaval, que acontece em fevereiro”, revela Bernardo Araujo, diretor da iContent Entretenimento, idealizadora do evento.

Os nomes internacionais são cada vez mais bem-vindos ao tradicional evento baiano, mas o Festival de Verão Salvador é, acima de tudo, uma celebração da música brasileira, pondera Araujo.

“O país é hoje rota de grandes shows mundiais mas, aqui, esses artistas são apenas mais uma atração, estando lado a lado com o nosso axé, música popular brasileira (MPB), sertanejo e forró”, diz.

A XYZ Live também já confirmou a apresentação de Selena Gomez em fevereiro, em São Paulo e no Rio de Janeiro.

Outra atração será Michael Bublé, com a “Crazy Love World Tour”. O cantor se apresenta em 31 de março no Rio de Janeiro e em 1º de abril em São Paulo.

Entre os meses de janeiro a abril, a Time for Fun traz ao Brasil James Blunt, Laura Pausini e Luis Miguel.

Outra turnê que está deixando os fãs latinos na expectativa é a “The Wall Live”, de Roger Waters. Em março e abril, Argentina, Chile, Brasil e México poderão conferir de perto o som de um dos fundadores da banda Pink Floyd.

O Roxette também percorrerá a América do Sul em 2012. Em abril e maio, a banda sueca passará por Equador, Colômbia, Peru, Argentina, Paraguai e Brasil.

Lollapalooza no Chile e Brasil

Outra grande novidade esse ano na América Latina é a realização do Lollapalooza, principal festival de rock alternativo dos Estados Unidos.

Desde a sua criação, na década de 1990, o evento atraiu nomes como Soundgarden, Pearl Jam, Arcade Fire e Kanye West.

O festival, que reúne mais de 50 artistas, passará pelo Chile em 31 de março e 1º de abril. Entre as atrações estão os norte-americanos da banda Foo Fighters e a islandesa Björk.

Depois dos chilenos é a vez de o Brasil receber o festival, uma realização da GEO Eventos. O Jockey Club de São Paulo sedia o Lollapalooza em 7 e 8 de abril.

“A procura pelos ingressos para o Lollapalooza nos surpreendeu muito”, comenta o presidente da GEO Eventos, Leonardo Ganem. “É um evento com uma marca muito forte e com uma curadoria extremamente cuidadosa.”

De um total de 140.000 ingressos, já foram vendidos 105.000 para a edição brasileira. A expectativa é que os ingressos acabem dois meses antes da realização do evento.

A América Latina vive um crescimento explosivo de shows internacionais, diz Ganem.

“O Brasil lidera esse movimento, em função do bom momento econômico e por ser considerado um destino turístico interessante pelos artistas”, completa.

Prova disso são o Dj francês David Guetta e o FatBoy Slim, que tradicionalmente desembarcam no país durante o verão para performances em cidades do Nordeste e no Rio de Janeiro.

“O brasileiro está com dinheiro no bolso e querendo gastar com entretenimento”, diz Ganem. “Além disso, o país possui uma cultura musical interessante, que desperta a atenção dos artistas mais renomados.”

A proximidade do Brasil com Peru, Equador e Colômbia também tem facilitado a inclusão de países que costumavam ficar de fora do circuito mundial de turnês.

Mas vai ser difícil manter o ritmo de turnês inéditas em palcos brasileiros, alerta Ganem, que durante anos foi presidente da Som Livre, gravadora brasileira.

Com algumas exceções, como Lady Gaga e Adele – há 16 semanas no primeiro lugar das paradas norte-americanas com seu álbum “21”–, todos os artistas de peso vieram ao Brasil, lembra Ganem.

“Tínhamos uma demanda represada que já foi atendida”, comenta.

A alternativa para as produtoras é apostar nos festivais, sugere o executivo. Ganem assegura que juntar vários artistas de peso em um grande evento é um investimento mais seguro.

A precaução se justifica. Só o cachê de artistas pop do momento como Adele podem custar de R$ 1 milhão a R$ 2 milhões.

“São pelo menos dez grandes eventos com marcas fortes e grande concentração de público que temos hoje no Brasil”, diz Ganem. “Mas ainda há muito espaço para crescer, já que apenas no verão europeu acontecem mais de 400 desses eventos.”

Prova recente de que os festivais podem ser mesmo uma receita de sucesso é o Rock in Rio.

O evento marcou época no Brasil a partir da década de 1980, reunindo ícones da música mundial como Prince, Queen e Scorpions. Já foram realizadas quatro edições no Brasil, além de Espanha e Portugal.

Em 2011, 700.000 conferiram os shows de Guns N'Roses, Coldplay, Red Hot Chilli Peppers e Metallica, além de destaques nacionais. E a edição de 2013 já está confirmada.

Esta reportagem está fechada para comentários e avaliações.