Arrow left
Arrow right

2009-08-28

Chile pede a Peru que não se intrometa nas suas relações

Desde a Guerra do Pacífico (1879-1883), as relações entre os vizinhos bolivianos, chilenos e peruanos não têm sido fáceis.

Desde a Guerra do Pacífico (1879-1883), as relações entre os vizinhos bolivianos, chilenos e peruanos não têm sido fáceis.

Pastor Landívar

SANTIAGO, Chile ― A tensão entre Bolívia, Chile e Peru, cujas relações não têm sido fáceis desde a Guerra do Pacífico (1879-1883), foi renovada em 26 de agosto, quando o ministro das Relações Exteriores do Chile, Mariano Fernández, pediu categoricamente que o Peru não se intrometesse nas suas relações com a Bolívia. Fernández também exigiu que o assunto não entre na pauta da União das Nações Sul-Americanas (Unasul), realizada em Bariloche.

Condenamos categoricamente a intromissão de terceiros nas nossas relações bilaterais com o Chile, Fernández disse segundo a agência EFE. Isso não é assunto para nenhum órgão multilateral e menos ainda para a inquisição do Chile por parte de terceiros.

Segundo o jornal El Deber, o impasse teve início quando o presidente peruano Alan García insinuou que Bolívia e Chile negociam secretamente uma saída para o mar para o país andino, o que violaria o Tratado de 1904 Tal acordo colocou um fim na Guerra do Pacífico, quando Bolívia e Peru se aliaram contra o Chile e acabaram perdendo um território extenso. Na ocasião, os três países concordaram que qualquer tentativa de conectar a Bolívia ao mar que utilizar os antigos territórios peruanos deve ter o aval de Lima.

Assim, García exigiu que seu país seja incluído na negociação, o que foi rejeitado pelo Ministério das Relações Exteriores do Chile. Em La Paz, os comentários de García fizeram com que David Choquehuanca, ministro boliviano das Relações Exteriores, pedisse explicações do embaixador peruviano.

Longe de ser concluída, a polêmica se aprofundou ainda mais no mesmo dia, quando conforme a AFP o ministro das Relações Exteriores do Peru, Antonio García Belaúnde, insinuou a existência do provável acordo entre seus vizinhos.

O ministro declarou diante da Comissão das Relações Exteriores do Congresso do seu país que a pauta de 13 itens debatida pelos governos de Santiago e La Paz provavelmente inclui algo relacionado com a reivindicação marítima da Bolívia, que vem sendo feita há mais de um século. Já o ministro chileno lembrou que o conteúdo da pauta é público e foi publicado nos jornais dos três países.

Conforme a ABI, o presidente boliviano Evo Morales explicou que não existem pautas secretas com nenhum país. Morales disse que o povo ficará a par de qualquer possível negociação sobre uma saída para o mar, assim como foi informado sobre o esboço de um acordo feito com o Chile para o uso das águas de Silala.

Esta reportagem está fechada para comentários e avaliações.

1 Comentário

  • | 2009-08-29

    MAR PARA NOSSO PAÍS IRMÃO DA BOLÍVIA E DISCRIÇÃO PARA OS DIREITISTAS DE LIMA QUE ENXERGAM SUA NEGOCIAÇÃO COM CHILE DE FORMA INDIVIDUALISTA E POPULISTA