Arrow left
Arrow right

2009-08-06

Frente Ampla lidera intenções de voto no Uruguai

José Mujica (dir.), candidato presidencial da Frente Ampla uruguaia, visitou o Brasil para reunir-se com o presidente Lula e o ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim (esq.), no Palácio do Itamaraty, em Brasília, no dia 5 de agosto de 2009.

José Mujica (dir.), candidato presidencial da Frente Ampla uruguaia, visitou o Brasil para reunir-se com o presidente Lula e o ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim (esq.), no Palácio do Itamaraty, em Brasília, no dia 5 de agosto de 2009.

Benjamín Acosta

MONTEVIDÉU, Uruguai ― Pesquisa divulgada no dia 4 de agosto indicou que a coalizão de partidos de centro-esquerda Frente Ampla (FA), que atualmente governa o Uruguai com Tabaré Vázquez, superou seu oponente mais próximo, o Partido Nacional (PN), nas intenções de voto para as eleições presidenciais de 25 de outubro.

Porém, se as eleições acontecessem hoje, a pesquisa realizada pelo Instituto Cifra entre 25 e 29 de julho aponta que nenhum dos partidos obteria mais de 50% dos votos, o que exigiria a realização de segundo turno.

O senador José Mujica, candidato da FA à Presidência, tem 44% das intenções de voto, uma alta que o jornal La República qualificou de “virada”. Por sua vez, o ex-presidente Luis Alberto Lacalle, candidato do PN (também conhecido como “Partido Branco”), é no momento o candidato preferido por 36% dos entrevistados.

Em terceiro lugar, apesar de ter ficado no poder por muitos anos no Uruguai, o Partido Colorado está perdendo popularidade e só obteve 10% de apoio para seu candidato, o ex-ministro do Turismo Pedro Bordaberry, conforme publicou o jornal El País. Os indecisos, que constituem um fator determinante no resultado final, somariam 8% do eleitorado.

Enquanto isso, Mujica estendeu sua campanha eleitoral até o Brasil, para onde viajou na companhia do ex-ministro da economia Danilo Astori (candidato à vice-presidência) a fim de se reunir com o presidente Luiz Inácio “Lula” da Silva. A reunião foi realizada no dia 6 de agosto e, segundo a agência EFE, Mujica conversou com o presidente Lula sobre a situação bilateral e os problemas comerciais entre o Brasil e o Uruguai, que tem reclamado da falta de equilíbrio no Mercosul. Mujica também tentou obter apoio na forma de investimentos, caso consiga chegar à Presidência.

“Gosto do Lula porque ele é um homem simples como nós, que conseguiu subir, mas não se esqueceu do seu compromisso com os pobres, declarou Mujica ao El País, referindo-se ao passado militante do presidente e fundador do Partido dos Trabalhadores (PT).

O atual presidente uruguaio, Tabaré Vázquez, elegeu-se em 2004, tornando-se o primeiro governante de esquerda da história de seu país.

Esta reportagem está fechada para comentários e avaliações.

2 de Comentários

  • | 2009-09-03

    Quando o resultado de uma pesquisa não agrada, todo mundo fica “procurando pelo em ovo”. A obra da Frente em um período de governo foi maior que os últimos 50-70 anos dos partidos tradicionais (Brancos-Vermelhos). Voltando às pesquisas, os indecisos no último momento se inclinam nas mesmas porcentagens dos que não estão indecisos ou seja esses 10%, dando a vitória à Frente no primeiro turno. Não vai ter segundo turno. Quem investe no Uruguai para produzir, dar trabalho, gerar riquezas, que sejam bem-vindos. Tivemos uma nação que ficou fechada durante 70 anos, outra por 50, eram e são bastante ricas em recursos, mas seus habitantes eram inacreditavelmente pobres e estavam atrasados em relação aos demais países, com recursos menores e mais escassos. Se for necessário voltar atrás (o que é impossível), devem ver a história recente. No Uruguai nesse período se soluciona o problema com a energia e volta à prosperidade PARA TODOS OU PARA NINGUÉM

  • | 2009-08-12

    Exageraram na interpretação da pesquisa da Cifra, na verdade o FA não pode ganhar no primeiro turno mas no segundo, a oposição toda junta ganha dele. Além disso o FA está perdendo porque fez a mesma coisa que os brancos e colorados e privatizou muito e entregou 2.800.000 hectares das melhores terras do país aos estrangeiros. A maior entrega aos estrangeiros e privatização da história do país. Os brancos e colorados não podem criticá-lo porque o FA faz o que eles queriam fazer e não puderam porque o FA naquela época era oposição de esquerda, hoje é direita como eles.