Arrow left
Arrow right

2009-06-19

Bolívia não consegue resolver clima de tensão com os países vizinhos

Fernando Rojas, embaixador peruano em La Paz, foi retirado da Bolívia em 16 de junho por causa do conflito diplomático entre os países.

Fernando Rojas, embaixador peruano em La Paz, foi retirado da Bolívia em 16 de junho por causa do conflito diplomático entre os países.

Tristán Landívar

LA PAZ, Bolívia ― A Bolívia conseguiu aliviar parte da tensão diplomática com os países vizinhos ao solucionar o caso polêmico de um cidadão paraguaio que foi preso pela polícia boliviana. Entretanto, os laços com o Peru continuam passando por seu momento mais delicado após as acusações do presidente peruano Alan García sobre a interferência do presidente boliviano Evo Morales em assuntos internos do seu país.

As dificuldades com o Paraguai foram resolvidas parcialmente pelo governo boliviano, que em 18 de junho repatriou o cidadão paraguaio Roberto Sosa, acusado de roubo e preso durante batida irregular de policiais bolivianos armados no território do país vizinho. De acordo com o jornal Última Hora, Sosa ficou sob cuidados militares.

Segundo a agência de notícias EFE, o chanceler do Paraguai, Héctor Lacognata, havia exigido a devolução imediata do indivíduo e chegou até a ameaçar a retirada da sua delegação diplomática de La Paz caso o governo boliviano não cumprisse com as exigências. O próprio ministro da Defesa, Walter San Miguel, ordenou a liberação.

Autoridades paraguaias disseram-se satisfeitas com o pedido de desculpas, mas o conflito entre o governo de Morales e o Congresso guarani continua se arrastando desde 13 de junho, quando o presidente boliviano viajou ao país vizinho para comemorar o fim da Guerra do Chaco ao lado do presidente paraguaio Fernando Lugo.

Na ocasião, Evo Morales garantiu que o melhor Parlamento é o povo. De acordo com o jornal El Deber, o parlamento paraguaio já consultou Lugo e aprovou uma resolução exigindo que Morales peça desculpas pelo comentário. La Paz não se pronunciou a respeito.

O conflito diplomático com o Peru é ainda mais complicado. O Correo de Lima publicou as acusações do chanceler peruano Antonio García Belaúnde, afirmando que Morales é o instigador das mobilizações indígenas no seu país que deixaram saldo de 34 mortes no início de junho.

Além disso, o ministro fez referência a uma carta que Morales enviou à Cúpula dos Povos Indígenas, na qual incitava uma revolução. Conforme a AFP, em 16 de junho o Peru enviou à Bolívia sua 11ª queixa diplomática e, no mesmo dia, Lima retirou seu embaixador de La Paz. O chanceler boliviano, David Choquehuanca, reconheceu o mau momento vivido pelas relações internacionais, mas não tem a intenção de pedir a retirada do embaixador boliviano em Lima.

Esta reportagem está fechada para comentários e avaliações.