Arrow left
Arrow right

2009-06-19

Mês de maio tem 3,6 mil demissões por dia

Desempregados procuram recrutadores em uma feira de empregos em Monterrey. A recessão econômica provocou a perda de cerca de 3,6 mil empregos por dia no mês de maio.

Desempregados procuram recrutadores em uma feira de empregos em Monterrey. A recessão econômica provocou a perda de cerca de 3,6 mil empregos por dia no mês de maio.

María Maeda

CIDADE DO MÉXICO, México — O mês de maio chegou ao fim com a elevação do índice de desemprego pelo sétimo mês consecutivo no México. Os motivos foram os efeitos da crise econômica mundial e a emergência sanitária causada pela epidemia da gripe A (H1N1), que fizeram com que vários setores da economia, sobretudo o turismo, tivessem de reduzir consideravelmente a oferta de empregos.

Conforme o site Milenio, o Instituto Mexicano do Seguro Social (IMSS) informou no dia 15 de junho que 111.476 postos de trabalho foram perdidos no mês de maio, o que corresponde a 3.600 demissões por dia. Do total, 51.856 eram empregos permanentes e 59.620 eram trabalhos eventuais.

De acordo com o La Jornada, estatísticas de emprego formal apresentadas pelo IMSS indicam que 2,46 milhões de mexicanos perderam o emprego entre outubro de 2008 e 31 de maio de 2009.

Segundo o Milenio, apesar de a situação se estender por todo o país, cinco dos 32 estados foram afetados. Quintana Roo encabeça a lista com 21.583 empregos perdidos, seguido pelo Distrito Federal com 8.254, Coahuila com 6.954, Nuevo León com 5.117 e Veracruz com 5 mil.

Em abril, 84.500 pessoas ficaram desempregadas, o que aumentou a taxa de inatividade em 5,25% em relação a um ano antes. De acordo com o Milenio, muitas empresas dedicadas ao turismo e à prestação de serviços fecharam as portas entre abril e maio por causa do surto da gripe A (H1N1), provocando 110 mil demissões.

Conforme La Jornada, a Organização Internacional do Trabalho (OIT) e a Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal) pediram que o governo do presidente Felipe Calderón e todos os outros da região “enfatizem a recolocação de trabalhadores demitidos e desenvolverem mecanismos para evitar demissões por meio de ações de capacitação e programas de empregos emergenciais”. As instituições também sugeriram a ampliação dos programas de proteção social, já que as políticas do mercado de trabalho não chegam a atingir toda a população.

“Infelizmente ainda não esperamos que sejam criados empregos nos meses de julho a setembro, mas o que podemos conseguir é talvez deter a queda, mas não com uma geração de novas vagas”, comentou ao jornal El Economista a gerente de Relações Públicas da empresa de recursos humanos Manpower México, Laura García, que estimou que 600 mil empregos serão perdidos até dezembro de 2009.

Esta reportagem está fechada para comentários e avaliações.

1 Comentário

  • | 2009-06-26

    Essa crise é lastimavel