2009-05-21

México tenta restaurar sua imagem após epidemia de gripe

A Secretaria da Saúde já suspendeu o aviso de emergência sanitária no México, mas a epidemia da doença causou 74 mortes entre os 3.734 casos registrados. Folhetos informativos foram distribuídos para educar o público e evitar o contágio.

A Secretaria da Saúde já suspendeu o aviso de emergência sanitária no México, mas a epidemia da doença causou 74 mortes entre os 3.734 casos registrados. Folhetos informativos foram distribuídos para educar o público e evitar o contágio.

María Maeda

CIDADE DO MÉXICO, México ― A epidemia de influenza A (H1N1) afetou a imagem do México no exterior e de seus principais setores econômicos, principalmente investimentos e turismo. Para reverter a situação, os governos da República e do Distrito Federal decidiram criar campanhas de relações públicas para recuperar o fluxo comercial e turístico.

O jornal El Informador afirma que, a fim de concretizar esse objetivo, o governo mexicano assinou um contrato de um ano no valor de US$ 1,2 milhão com duas empresas de relações públicas, a Qorvis e a Apco, que se encarregarão de melhorar a projeção da imagem do país. Cada empresa tem uma tarefa específica: a Apco vai criar slogans e cuidar das estratégias de relações públicas e comunicação, enquanto a Qorvis se concentrará na distribuição do conteúdo por meios eletrônicos, principalmente pela internet.

O chefe do governo do Distrito Federal, Marcelo Ebrard, também lançou uma campanha para melhorar a imagem interna e externa do México, segundo informações do jornal El Universal. O tópico central da campanha do Distrito Federal, que começou a ser emitida em 14 de maio, são as iniciativas que o governo da capital vem realizando para conter a disseminação e atrair o turismo para a cidade, um dos setores mais afetados pela epidemia.

El Financiero informa que, no Distrito Federal, a ocupação dos hotéis no mês de abril ficou em apenas 14,8%. Sobre o assunto, a Secretaria da Fazenda do Distrito Federal divulgou que a ocupação hoteleira atualmente é de apenas 10%, enquanto o esperado para esta temporada sempre está entre 55% e 60%.

Outra iniciativa do governo local foi a criação de um Conselho para a Recuperação Sanitária e Econômica da Cidade do México, formado por diretores de grupos empresariais e do transporte que têm a missão de elaborar propostas para o reaquecimento econômico do país. O secretário da Fazenda do Distrito federal, Mario Delgado, disse ao jornal El Universal que o apoio da administração federal é insuficiente em matéria de alcance e tempo considerando as proporções da crise. Entretanto, Delgado afirma que os governos da capital e federal continuarão trabalhando em conjunto.

A Secretaria da Saúde já suspendeu o aviso de emergência sanitária, mas a epidemia da doença causou 74 mortes entre os 3.734 casos registrados. Coahuilla é o único dos 32 estados da república mexicana que não registrou nenhum caso do vírus da influenza A (H1N1).

Esta reportagem está fechada para comentários e avaliações.