2012-06-11

Aparelhos portáteis conectam os soldados em exercício de rede do Exército

Um soldado da 2ª Brigada, 1ª Divisão Blindada, demonstra um dispositivo Nett Warrior durante o NIE 12.2. (Foto: Claire Heininger Schwerin, Exército dos EUA)

Um soldado da 2ª Brigada, 1ª Divisão Blindada, demonstra um dispositivo Nett Warrior durante o NIE 12.2. (Foto: Claire Heininger Schwerin, Exército dos EUA)

Claire Heininger Schwerin, Exército dos EUA

Ao conduzir seu esquadrão pelo deserto, buscando seus objetivos em vilarejos ao longo do caminho, o Segundo-Sargento Jesus Vasquez não controlava os movimentos de seus comandados com um bloco de notas ou um mapa, mas sim com um dispositivo portátil fornecido pelo Exército dos EUA.

Abrindo o dispositivo semelhante a um smartphone usado na parte da frente de seu uniforme, Vasquez tocou a tela para registrar o que via – informações que viajaram rapidamente através da rede do Exército até o resto de seu pelotão.

“Podemos demarcar qualquer coisa, desde posições inimigas ou posições amigas até IEDs [dispositivos explosivos improvisados] ”, disse Vasquez. “É como um telefone – todo mundo tem um smartphone hoje em dia, então é realmente fácil de se usar”.

Os aparelhos Nett Warrior usados por soldados como Vasquez durante a Avaliação de Integração de Rede (NIE) 12.2 realizada em maio têm como objetivo equipar os líderes dos militares dos escalões mais baixos com prontidão de comunicações e de situações sem precedentes. Ligados ao Sistema de Rádio Tático Conjunto (JTRS) Rifleman Radio e rodando o software de rastreamento de última geração da força azul do Exército, conhecido como Plataforma de Comando Batalha Conjunta (JBC-P), o Nett Warrior permite aos líderes dos soldados sem equipamentos o acesso a um tipo de informação digital disponível atualmente apenas em veículos ou postos de comando.

Os dispositivos com o sistema Android podem ser conectados à maior rede de comunicações táticas do Exército dos EUA através das ondas de rádio JTRS ou da rede de satélites Blue Force Tracking 2, disponibilizando uma “porta de entrada” em veículos equipados com o JBC-P. O sistema Nett Warrior tem o objetivo de eliminar o atraso e os erros humanos associados às comunicações por rádio, permitindo, ao invés, que os dispositivos portáteis dos soldados troquem mensagens e rastreiem digitalmente a localização uns dos outros.

“Se você está usando um rádio terá que ouvir, escrever, confirmar – processo que inclui um atraso no tempo”, disse Mark Frye, primeiro-sargento reformado e agora líder de equipe Nett Warrior no NIE. “Se for uma mensagem divulgada em um dispositivo portátil, sabemos como as crianças são velozes em trocar mensagens de texto. É o mesmo conceito, sendo que utilizado de soldado para soldado”.

Além da capacidade de rastrear e demarcar as forças aliadas, inimigas e os obstáculos, o software JBC-P para dispositivos portáteis Nett Warrior também fornece aos soldados diversos “aplicativos” desde uma lista de contatos ou um planejamento de rota, até um ícone capaz de lançar uma “luz química” sobre um prédio vazio. O aplicativo da luz química é uma evolução do uso real das unidades para designar áreas seguras ou perigosas, disse Frye.

Os portáteis também permitem aos soldados fazer fotos utilizando um aplicativo para Registro Tático de Terreno, conhecido como TIGR, que cria uma base histórica de dados das pessoas, locais e eventos no campo de batalha. Uma vez enviadas através da rede, as fotos estarão disponíveis na base de dados do TIGR para os demais membros da brigada.

Você gostou deste artigo?

43Rating no
Adicione Seu Comentário Política de Comentários
*informa campo obrigatório

1 Comentário

  • victor leal | 2012-10-31

    Excelente tecnologia para aplicação na área de operações, seria de muita ajuda sua ilustração para possível aplicação fora do combate.