2012-05-21

JUNGLAS: O maior pesadelo dos narcotraficantes

Cada unidade dos Junglas consiste de 10 membros com um papel específico, entre os quais se incluem o de guia, experto em demolições, franco-atirador e enfermeiro, entre outros. Cada um deles carrega entre 15-20 quilos de equipamento em todas as suas missões em helicóptero. (Foto: Claudia Sánchez-Bustamante/DIÁLOGO)

Cada unidade dos Junglas consiste de 10 membros com um papel específico, entre os quais se incluem o de guia, experto em demolições, franco-atirador e enfermeiro, entre outros. Cada um deles carrega entre 15-20 quilos de equipamento em todas as suas missões em helicóptero. (Foto: Claudia Sánchez-Bustamante/DIÁLOGO)

Claudia Sánchez-Bustamante/DIÁLOGO

O termômetro marca 37 graus C sob um céu sem nuvens em Los Pijaos; os raios do sol fustigam enquanto gotas de suor escorrem dos rostos de um grupo de policiais que treinam em um exercício de descida rápida em corda. Totalmente armados, vestindo uniformes de combate e usando luvas pretas grossas, eles sobem uma torre de 197 metros para então descerem o mais depressa que puderem, mantendo todos os requisitos de segurança e os procedimentos adequados que seus homólogos das Forças Especiais do Exército dos EUA lhes ensinaram durante os últimos 60 minutos.

Entre montanhas, planícies e ravinas às margens do Rio Coello, eles praticam algumas das táticas necessárias durante as operações furtivas de interdição que fazem o nome da força policial colombiana.

A Companhia Jungla de combate ao narcotráfico é uma força selecionada de Operações Especiais conhecida por sobrevoar a densa selva colombiana no meio da noite, em busca de laboratórios clandestinos para o processamento de cocaína pertencentes a grupos armados ilegais de narcoterroristas e operados por eles, tais como as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

Melhor descrito como uma unidade policial militarizada, o comando aéreo de interdição de entorpecentes Jungla é o braço operacional da Polícia Nacional da Colômbia (PNC), subordinado à Direção Antinarcóticos (DIRAN).

Sua base é a finca de 17.001 hectares Los Pijaos, uma estrutura natural de fortaleza localizada no coração da Colômbia, onde existem os quartéis-generais da Escola Nacional de Operações de Treinamento e Polícia da PNC – CENOP – e foi criada em 2008.

“As condições especiais do nosso país nos forçam a responder à necessidade de uma força policial militarizada”, disse o Coronel da Polícia Jorge Luis Ramírez Aragón, comandante da base da CENOP, durante uma visita feita por Diálogo à estrutura conhecida como o “forte”.

A PNC lançou o primeiro curso nacional Jungla em 1989, com o apoio dos Estados Unidos e do Serviço Aéreo Especial do Reino Unido, parte das Forças Especiais Britânicas. O curso durou seis meses e ensinou ao grupo de policiais especialmente selecionados as habilidades necessárias para sobreviverem na selva sozinhos, durante uma semana, entre outras táticas.

Atualmente, o treinamento se concentra em patrulhamento, operações noturnas, defesa da base, administração de trauma médico, atiradores especiais, combate homem a homem, missões móveis aéreas, operações de combate a minas, erradicação de plantios ilegais de coca e captura de Alvos de Grande Valor (HVTs) – todas habilidades postas em teste durante as missões especiais de interdição.

O curso básico do Comando Jungla dura 18 semanas e as atividades de um dia típico podem incluir ataques para capturar HVTs, destruir ou confiscar laboratórios de processamento, esconderijos de entorpecentes e estoques de precursores químicos. Atingir estas localidades remotas envolve operações clandestinas cuidadosamente planejadas, para as quais cada membro da unidade leva uma carga pesada de armas e materiais por dezenas de quilômetros, passando por águas e pântanos e enfrentando o calor extremo da selva colombiana.

Os recrutas devem ser policiais da ativa com pelo menos dois anos na força antes de serem selecionados para treinar como um Jungla, uma oportunidade profissional para a qual membros da Polícia se apresentam como voluntários, sendo um apelo para muitos deles.

O instrutor da Companhia de Treinamento Jungla, um Primeiro-Sargento com 20 anos de experiência, explicou a Diálogo que, como instrutores, eles buscam aprendizes Jungla que “não desafiarão sua missão, buscando ao invés disto uma solução”. Como instrutor veterano, o Primeiro-Sargento também ajuda a desenvolver o curso médico para Junglas experientes, incluindo operações táticas rurais em Sierra Nevada, na região Amazônica e do Cauca na Colômbia.

Depois do intenso treinamento do curso básico, os Junglas passam para cursos mais especializados e avançados em um campo de sua escolha.

Atualmente, o comando Junglas conta com uns 600 policiais da ativa em três companhias: Facatativá, na periferia de Bogotá, Santa Marta, na costa caribenha, e Tuluá, ao leste. Além disto, há 65 instrutores baseados na sede do centro de treinamento da PNC, em Pijaos.

Em cada companhia Jungla existem três elementos do tamanho de um pelotão. Por outro lado, cada um destes elementos está formado por elementos do tamanho de uma esquadra, com dez membros cada uma. Nas suas missões, os Junglas carregam de 15 a 20 quilos de equipamento e cumprem funções muito específicas. As atividades dos Junglas se baseiam nos pacotes de inteligência que eles recebem da direção de inteligência da DIRAN. Cada membro tem vital importância para o resto da equipe, mas com responsabilidades independentes dos demais.

Ao longo dos anos, as habilidades e forças desenvolvidas por este grupo resultaram em uma redução da disponibilidade de drogas e na captura de diversos narcoterroristas procurados na Colômbia.

Em abril de 2009, por exemplo, equipes especiais de reconhecimento dos Junglas e membros da direção de inteligência da PNC capturaram Daniel “Don Mario” Rendón Herrera, um dos mais procurados narcotraficantes colombianos da época.

Em 2011, a DIRAN destruiu 813 unidades de produção de pasta de coca, além de 100 laboratórios de hidrocloreto de cocaína, onde a pasta ou base de cocaína é transformada em cristais de cocaína, forma na qual ela é geralmente mais vendida ilicitamente.

Além da selva colombiana

Desde 1994 já houve 23 cursos nacionais, 10 cursos internacionais e 10 cursos apenas para instrutores, todos incluindo a participação das forças de segurança de 19 países. Desde 2009 somente, mais de 1.500 alunos internacionais foram treinados pela PNC, muitos na base do CENOP, e mais de 8 mil por equipes móveis de instrutores fora da Colômbia. Cada curso começa com 70 a 110 alunos e forma em média 70 por cento, de acordo com o Major Carlos Reyes, comandante da Companhia de Instrutores Jungla.

O Major Reyes disse a Diálogo que por causa de sua história única e experiência, a PNC vem colaborando para melhorar as operações de combate ao tráfico na América Latina e outras ações policiais contra o crime em todo o hemisfério.

“A PNC é a fábrica mundial [de soldados]… “, disse o Coronel Ramírez Aragón.

Você gostou deste artigo?

48Rating no
Adicione Seu Comentário Política de Comentários
*informa campo obrigatório