Arrow left
Arrow right

2012-04-23

Bazuco, a droga mais barata nas ruas da Colômbia

A Polícia Nacional prendeu um jovem de 18 anos suspeito de ligação com a apreensão de 90 pacotes de bazuco na cidade de Pereira, departamento de Risaralda, em fevereiro. (Cortesia da Polícia Nacional)

A Polícia Nacional prendeu um jovem de 18 anos suspeito de ligação com a apreensão de 90 pacotes de bazuco na cidade de Pereira, departamento de Risaralda, em fevereiro. (Cortesia da Polícia Nacional)

Por Carlos Andrés Barahona para Infosurhoy.com – 19/04/2012

BOGOTÁ, Colômbia – Javier Cortés García viveu um pesadelo de dois anos, quando abandonou a escola e vendeu todos os seus bens para suprir uma dependência química que o levou a morar nas ruas durante cinco meses. Tudo começou com uma só palavra: “Experimente”.

Quase 16 anos atrás, Cortés estudava na Universidade de Los Andes, quando alguns amigos o pressionaram a experimentar o bazuco, um tipo de pasta de cocaína vendido na forma de pó que é o narcótico mais barato na Colômbia – uma dose custa 500 pesos (US$ 0,28).

“Eu já tinha experimentado outras drogas, mas a dependência causada pelo bazuco é realmente incontrolável”, diz Cortés, hoje um designer gráfico de 35 anos que deixou de usar drogas há 11 anos. “Dizem que o bazuco é como fazer algo que você sabe que está errado e que pode parar a qualquer momento, mas isso é mentira. Aos poucos, você afunda no vício, perdendo amigos e, principalmente, perdendo a si mesmo. Durante os cinco meses em que morei nas ruas, eu não conseguia nem me lembrar de quem era. Só queria bazuco para, de alguma forma, satisfazer a minha vontade, uma vontade que só termina com o próximo uso. É como ter um pesadelo estando bem acordado.”

Histórias como a de Cortés estão se tornando cada vez mais comuns na Colômbia, onde as autoridades atribuem a alta demanda pelo bazuco a seu baixo preço. Uma dose de bazuco custa, em média, cerca de US$ 2,75 menos do que a quantidade de maconha necessária para preparar um cigarro.

Outra razão que torna o bazuco tão barato é sua baixa qualidade. A produção de 1 kg da droga requer apenas 1 g de cocaína, além de solventes, ácido sulfúrico, tijolo moído e até gasolina, de acordo com o químico Ernesto Mojica, da Universidade Nacional da Colômbia.

“O bazuco é uma droga lucrativa para muitos porque, diferentemente da maconha ou da cocaína, não é uma droga pura”, diz Mojica. “Em outras palavras, o percentual de droga pura necessário para produzir o bazuco não passa de 1 g a 1,5 g, se for de boa qualidade. Mas, no fim, o que torna o bazuco tão barato são os solventes.”

O narcótico, que surgiu na Colômbia na década de 1980, compromete a memória e pode causar danos irreversíveis ao cérebro, ao fígado e aos pulmões, de acordo com a psicóloga Adriana Serrano, da Fondación La Luz, instituição que trata e reabilita dependentes de drogas na Colômbia.

“Agressividade, dependência incontrolável e destruição do organismo – essas são as três principais consequências do uso do bazuco”, afirma. “A principal razão da dependência é o fato de a pessoa ter que usar diversas doses para sentir o efeito da droga. Mas o uso repetitivo acelera os danos ao organismo. Eu arriscaria dizer que os dependentes de bazuco são os mais difíceis de tratar.”

Mónica Rubio, que trabalha com dependentes de drogas há 20 anos e atendeu Cortés na primeira fase de sua recuperação, durante dois anos, concorda com Adriana.

“A pior parte do tratamento dos dependentes de bazuco é que eles tendem a ter recaídas”, explica. “É verdade que drogas como a heroína causam alta dependência, mas é preciso levar em consideração o custo da heroína em comparação com a facilidade de acesso ao bazuco. O preço baixo e o fato de ser uma das drogas mais vendidas nas ruas podem estimular os pacientes a reincidir, pois sabem como é fácil obter a droga.”

O bazuco invadiu as ruas porque os traficantes podem transportar grandes quantidades divididas em pacotes. E, como sua produção tem baixo custo, é atraente para gangues de todos os portes.

“O principal problema é que o bazuco é criado especificamente para o microtráfico”, diz o general brigadeiro Luis Eduardo Martínez, comandante da Polícia Metropolitana de Bogotá. “Não há cartéis envolvidos na distribuição da droga, que está a cargo de pequenos grupos criminosos. Isso obriga as autoridades a investir mais recursos para desmantelá-los.”

O presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, afirmou que pretende contratar mais 20.000 policiais neste ano e que os novos agentes se concentrarão na perseguição a traficantes de bazuco, acrescenta Martínez.

“Perseguir os microtraficantes é trabalho cotidiano no país inteiro. Sabemos o mal que a droga causa”, diz. “Com os novos policiais, poderemos reforçar nossas estratégias para enfraquecer definitivamente o microtráfico.”

Até agora, a estratégia vem tendo bons resultados.

A Polícia Nacional prendeu seis suspeitos, entre eles dois menores de idade, ligados a uma operação realizada em 22 de março em um laboratório de fabricação de bazuco no bairro de Rafael Uribe Uribe, em Bogotá, onde 6.000 pacotes da droga foram apreendidos.

Os menores estão sob a custódia do Instituto Colombiano de Bem-Estar da Família (ICBF), que os enviará para diferentes centros correcionais. Os outros quatros detidos foram acusados de tráfico de drogas e aguardam julgamento na prisão.

Em fevereiro, a Polícia Nacional prendeu duas pessoas sob a acusação de produção e distribuição de bazuco na cidade de Neiva, departamento de Hula. Autoridades destruíram o laboratório, e os dois traficantes estão presos, esperando suas sentenças.

No mesmo mês, a Polícia Nacional também confiscou US$ 40.000 em bazuco em uma operação na cidade de Manizales, departamento de Caldas. Em Pereira, capital do departamento de Riseralda, foi preso um jovem de 18 anos que portava 90 pacotes da droga. Se condenado, o suspeito pode ter que cumprir pena de dois a cinco anos.

Você gostou deste artigo?

47Rating no
Adicione Seu Comentário Política de Comentários
*informa campo obrigatório

1 Comentário

  • sergio alzate gil | 2012-09-05

    bem, eu Sergio Alzate estou em processo de reabilitação pessoal sem nenhum centro de reabilitação pois tenho caminhado pelas ruas do Bronx onde sou reconhecido tenho investigado sobre esta droga. por esse vício não me sinto muito bem, bem isso é o que quero dizer a você. parece-me uma droga terrível já que a pessoa perde a vergonha, a confiança daqueles que você mais ama. somente digo que é um processo longo e difícil apenas Deus e a vontade própria podem tudo nesta vida. Interessante a reportagem. Obrigado.