2011-03-04

Entrevista com a Direção de Gestão Ambiental e Ecossistemas do Exército da Colômbia

Soldados vigiam trabalhadores arrancando as plantações de cocaína como
					parte do programa antidrogas do governo em San Francisco, departamento de
					Antioquia. Em 2010, o Exército destruiu 16.996 hectares de plantações ilegais
					através da erradicação manual. (REUTERS/Fredy Amariles)

Soldados vigiam trabalhadores arrancando as plantações de cocaína como parte do programa antidrogas do governo em San Francisco, departamento de Antioquia. Em 2010, o Exército destruiu 16.996 hectares de plantações ilegais através da erradicação manual. (REUTERS/Fredy Amariles)

Por Sara Barraca para Diálogo

O Comando do Exército Nacional da Colômbia publicou o seu primeiro conjunto de diretrizes sobre a preservação e conservação do meio ambiente em 1998.

Durante a década seguinte, o Exército abriu escritórios ambientais em nível de divisão e brigada, sob a Corporação dos Engenheiros, para coordenar o trabalho de forma eficaz com as autoridades ambientais nacionais e regionais. Os escritórios também tiveram que implantar medidas para evitar, mitigar, controlar e pagar por quaisquer efeitos negativos sobre os recursos ambientais.

O major general Alejandro Navas Ramos comanda o Exército Nacional da Colômbia. Sob seu comando, o Exército continua implantando novas estratégias ambientais.

Um funcionário da Direção de Gestão Ambiental e Ecossistemas da Chefia de Engenheiros Militares do Exército concedeu uma entrevista para o “Diálogo” e explicou o importante papel que os escritórios ambientais desempenham.

Onde se enquadra a Direção de Gestão Ambiental e Ecossistemas na estrutura geral do Exército Nacional da Colômbia e qual é o seu propósito principal?

Em 2008, o Exército, através da Portaria 0014, criou em sua estrutura a Chefia dos Engenheiros Militares, e nesta a Direção de Gestão Ambiental e Ecossistemas, cuja função é dirigir a política ambiental da força. Para seu funcionamento, conta com quatro áreas: ecossistemas, saneamento ambiental, educação ambiental e trâmites legais ambientais.

Além disso, a direção oferece capacitação nos seguintes temas, entre outros: proteção de bacias hidrográficas e recursos hídricos, gestão de recursos naturais, controle de tráfico ilegal de espécies selvagens, gestão de resíduos, legislação ambiental e ecossistemas estratégicos.

Quantos escritórios de gestão do meio ambiente tem o Exército Nacional da Colômbia?

Inicialmente, foram ativados 28 escritórios de gestão ambiental nas brigadas. Hoje, contamos com o escritório nas oito Divisões, na Divisão de Aviação, nas 35 Brigadas, nos sete Batalhões das Altas Montanhas e 28 Batalhões de Instrução e Treinamento do Exército.

Porque o Exército Nacional da Colômbia decidiu criar esses escritórios especializados em meio ambiente?

Surgiu como uma política institucional importante que foi elaborada e implantou o “Plano Estratégico Ambiental 2005-2010”.

O objetivo desse plano era o fortalecimento em termos ambientais e onde se plantaram ações e instrumentos, reunindo esforços de todas as autoridades ambientais para desenvolver um sistema de gestão eficiente.

Poderia explicar em linhas gerais como o plano foi desenvolvido?

O plano foi elaborado para consolidar a cultura ambiental na instituição, buscando dar cobertura em todos os níveis, educando os oficiais, suboficiais, soldados e civis, através de academias e capacitação.

O plano está orientado em duas linhas de trabalho. A primeira se dirige à educação do pessoal militar e inclui capacitação sobre a criação e abertura dos escritórios ambientais em cada unidade, e capacitação nas unidades em convênio com o Ministério do Meio Ambiente, Corporações Autônomas Regionais e a Unidade de Parques Nacionais Naturais.

E em segunda instância, o plano se destina à realização de auditorias ambientais para conhecer os pontos fortes e fracos a respeito desse tema e realizar o respectivo acompanhamento.

Esse plano é atualizado anualmente através de um plano de ação da força, incluindo a fixação de tarefas nessa matéria, para que sejam desenvolvidas não só pelos escritórios ambientais, mas também com o apoio de outras agências, como a Ação Integral, Direitos Humanos, Operações, Inteligência e Logística.

Quando será possível ver os primeiros resultados?

Os primeiros progressos dos escritórios ambientais se refletiram nos esforços da capacitação dos soldados que compõem os Batalhões de Altas Montanhas.

Nesse caso, se realizou em coordenação com o Ministério do Meio Ambiente, a Unidade de Parques Nacionais Naturais e as Corporações Regionais.

Que projeto são os mais importantes atualmente?

Desenvolvemos projetos de reciclagem e reflorestamento através do Convênio SENA (Serviço Nacional de Aprendizado) e FFMM (Forças Armadas), onde já se formaram mais de 150 soldados profissionais técnicos em gestão de platôs e florestas de nuvens.

Também estamos fazendo estudos junto com o Ministério do Meio Ambiente para estabelecer a partir da Direção de Telemática e Gestão de Resíduos de Aparelhos Elétricos e Eletrônicos RAEE e Pilhas e Baterias, através da implantação da logística inversa.

Tal projeto desenvolveu sua fase de testes em 2001 e em 2011 realizará a coleta e desmanche das baterias de todas as unidades militares.

Que treinamento acadêmico é proporcionado por essa divisão?

Em 2010, desenvolvemos quatro certificações para 197 membros da força em temas como Gestão Ambiental, Gestão Ambiental nos Batalhões de Altas Montanhas e Batalhões de Instrução e Operação de Plantas de Tratamento.

Do mesmo modo, as Unidades Operacionais, Maiores, Menores e Táticas realizaram programas de sensibilização e capacitação em coordenação com as autoridades ambientais regionais e as Direções Territoriais de Parques Nacionais Naturais para mais de 5.676 pessoas, entre oficiais, suboficiais, soldados e civis, através de academias, sob o comando da Direção de Gestão Ambiental e Ecossistemas da Chefia de Engenheiros Militares do Exército.

Em relação aos esforços para aumentar o nível de consciência sobre os assuntos ambientais, o que estão fazendo para divulgar esse trabalho no estrangeiro?

Em outubro de 2010, foi realizado o Primeiro Seminário Internacional Ambiental do Exército Nacional “Pela Proteção do Meio Ambiente e da Biodiversidade”, que teve como objetivo difundir os avanços em gestão ambiental por parte da força junto aos setores público e privado, às outras forças militares, à Polícia Nacional e junto às entidades ambientais nacionais, regionais e locais, gerando um espaço de reflexão sobre o papel do Exército Nacional na proteção do meio ambiente e do uso sustentável dos recursos naturais.

No seminário, trocamos experiências com convidados do Exército dos Estados Unidos e do Brasil, e com a Secretaria de Defesa nacional do México, e geramos uma aproximação com as entidades ambientais.

Para fortalecer a Gestão Institucional, foram realizados Convênios Interadministrativos com entidades ambientais, como o Instituto de Hidrologia, Meteorologia e Estudos Ambientais – IDEAM, que permitiram colocar uma estação meteorológica em cada um dos quatro Batalhões de Altas Montanhas.

Essas estações, em sua maioria, se encontram localizadas em alturas superiores a 3.600 acima do nível do mar, e outra está situada no Departamento de Tolima. Esses equipamentos são empregados no monitoramento do clima do país. Assim como o Convênio número 021 de 2009 com a Secretaria Distrital do Meio Ambiente de Bogotá, que tem por objetivo Realizar a Recuperação e Restauração Ecológica do Batalhão de Instrução e Retreinamento Número 13, no município de Usme, através da erradicação de plantas invasoras exóticas conhecidas como tojo [Ulex europaeus], para manter a biodiversidade nesse ecossistema de platô.

Qual o orçamento do escritório para a conservação e melhoria do meio ambiente?

A destinação de recursos significativos para cobrir as atividades em termos de meio ambiente é um indicador importante da política do Comando do Exército.

Durante esse ano, foram destinados recursos para investimento de 2,259 bilhões de pesos para melhorar os sistemas de saneamento básico das unidades, incluindo manutenção de aquedutos, esgotos e redes, para minimizar e controlar os impactos nas fontes hídricas que passam pelas instalações das unidades militares.

Adicionalmente, em 2010 foram investidos 280 milhões de pesos em estudos de elaboração de planos de gestão ambiental para novas unidades a serem construídas e 200 milhões de pesos para elaboração de planos de gestão ambiental nas unidades de aviação, assim como 183 milhões de pesos investidos em capacitação e 40 milhões de pesos em material publicitário.

Pode falar de alguns dos avanços decorrentes do estabelecimento dos programas ambientais?

As unidades obtiveram grandes avanços na implantação, como a plantação de 18.913 árvores de diferentes espécies nativas. Também a criação de 29 viveiros em diferentes unidades e a recuperação de 43.300 kg de material reciclável, como papel, plástico, vidro, alumínio e metal.

Que efeito tiveram as medidas adotadas pelos Escritórios de Gestão Ambiental na luta contra as drogas?

Esses escritórios desempenham um papel fundamental na luta frontal do Exército contra o narcotráfico.

Durante o ano de 2010, foram destruídos 16.996 hectares de plantações ilegais através da erradicação manual. Entretanto, o efetivo militar das diferentes unidades independentes no território nacional apreenderam um total de 5 toneladas de cocaína, 14 toneladas de pasta base de coca, uma tonelada de droga mesclada e 33 toneladas de maconha. Uma vez encontraram 991.191 galões de material líquido e 302.822 quilos de precursores sólidos.

Você gostou deste artigo?

127Rating no
Adicione Seu Comentário Política de Comentários
*informa campo obrigatório

1 Comentário

  • NELSON AUGUSTO DUARTE RODRIGUEZ | 2011-05-14

    As Forças Armadas da Colômbia tem feito uma campanha excelente para preservar o ambiente, especialmente os pântanos e parques naturais. Me disseram que tal trabalho tem sido feito no pântano de Sumapaz, o qual fica a 2 horas da capital colombiana, onde a população está também envolvida neste empenho. Desta maneira, atingem a meta de unir a comunidade em trabalhos orientados para manter o ecossistema.